16 de dezembro de 2012

Lonely Boy

És daqueles gajos (ou gajinhas) que fica encostado ao balcão com o copo na mão e balanças o pé, discretamente, para a direita e esquerda?

Chegou o teu momento, é simples, está tudo nas ancas.

25 de novembro de 2012

Grantchester Meadows





Nunca a alheia vontade, inda que grata,
Cumpras por própria. Manda no que fazes,
Nem de ti mesmo servo.
Ninguém te dá quem és. Nada te mude.
Teu íntimo destino involuntário
Cumpre alto. Sê teu filho.


Fernando Pessoa



12 de novembro de 2012

This Old Dark Machine




Estás só. Ninguém o sabe.
Estás só.
Ninguém o sabe.
Cala e finge.
Mas finge sem fingimento.
Nada 'speres que em ti já não exista,
Cada um consigo é triste.
Tens sol se há sol, ramos se ramos buscas,
Sorte se a sorte é dada


Ricardo Reis / Fernando Pessoa






23 de outubro de 2012

Bring it on





OS OMBROS SUPORTAM O MUNDO.
Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.


Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.


Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teu ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo,
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.


Carlos Drummond de Andrade
(1902-1987)
In "Antologia Poética"





 

Fenomenal


(' By carving into the paper in a particular way, one can feel the power and the magic and the luck. The face is a mirror of the soul - for better or worse. Portraiture is my way of encapsulating the ongoing museum of human experience, to show who we really are, body and soul..')




Charcoal drawings by Douglas McDougall




 

 

9 de outubro de 2012

New York City Serenade









It's midnight in Manhattan, this is no time to get cute, it's a mad dog's
promenade,

So walk tall, or baby don't walk at all.



.~.

Tens 3 segundos para escolher a tua música preferida.
Diz!
1, 2, 3.
- New York City Serenade.
De quem é?
- Do Bruce Springsteen.
Agora engole este comprimido.
- Hã?
Toma, engole.
De hoje em diante até ao final dos teus dias esta música vai-te acompanhar, será a banda sonora da tua vida... Vais ouvi-la todos os dias, de manhã ou de noite. Nos cafés, no cinema, na praia, em casa , quando tomas banho, ou quando te deitas.
Para sempre, vais memoriza-la, identificar cada nota, tempo, instrumento.
-Porquê? Para quê?

Eles* sorriram e foram-se embora.



*Nota da editora: Eles eram extraterrestres.

.~.






24 de setembro de 2012

State Trooper



Lisboa morre de fome
debaixo dos seus alpendres

a mesma fome
dos campos

o rei não paga
o que pede
de juros exorbitantes.

Quem se atreve a afirmar
que a nação se arruína?

vêm cheias de brilhantes
as naus que tornam
da Índia.

Os fidalgos trazem
escravos
e sapatos de pelica.

O pão não canta
no campo
nem os homens nas ruínas.

Que faz o rei
pelos campos donde os homens
se afugentam?

Lisboa constrói
a fome

e os fidalgos
opulentos.

A cânfora e a cambraia
não alimentam o povo

que faz o rei
da fazenda
e das rendas do tesouro?

Saem os homens
sedentos
das naus que vão para a Índia.

Lisboa constrói
a fome

E os campos sem homens
quem será que os afirma?


 
Maria Teresa Horta
In "Cancioneiro da Esperança"
Seara Nova 1971





11 de setembro de 2012

Mistakes




Erreurs
Je sais que je les porterai toute ma vie
Mes erreurs
Comme de celle
Tu sais laquelle
Quand on a coupé mes cordes
Je me suis envolée ailleurs
On a coupé mes cordes
Et je ne redescendais pas





9 de agosto de 2012

Cut the World





For so long i've obeyed that feminine decree
I've always contained your desire to hurt me


But when will i turn and cut the world?


My eyes are coral, absorbing your dreams
My skin is a surface to push to extremes
My heart is a record of dangerous scenes


But when will i turn and cut the world?



3 de agosto de 2012

So What


Barack Obama, Prémio Nobel da Paz, assinou há meses uma ordem que autoriza operações secretas da CIA e de outras agências para apoiar os rebeldes sírios na luta contra o regime de Bashar al Assad...

Informaram as agências noticiosas.

No dia a seguir, as mesmas agências informam-nos que o Kofi Annan, outro Prémio Nobel da Paz, demitiu-se das funções de emissário da ONU e da Liga Árabe para a Síria...

So What...? Qual é a novidade? Não só escorregamos cada vez mais fundo num sistema económico caduco e bolorento, como os nossos "heróis" dão provas diariamente da sua nobreza de carácter.

So What?



video


24 de junho de 2012

Giulietta Masina



Pálpebras de neblina, pele d'alma
Lágrima negra tinta
Lua lua lua lua
Giulietta Masina
Ah!, puta de uma outra esquina
Ah, minha vida sozinha
Ah, tela de luz puríssima
(existirmos a que será que se destina)
Ah!, Giulietta Masina
Ah!, vídeo de uma outra luz
Pálpebras de neblina, pele d'alma
Giulietta Masina
Aquela cara é o coração de Jesus

 

5 de junho de 2012

Os Argonautas



O Barco!
Meu coração não aguenta
Tanta tormenta, alegria
Meu coração não contenta
O dia, o marco, meu coração
O porto, não!...

Navegar é preciso
Viver não é preciso...

29 de maio de 2012

The Way Young Lovers Do


 

Depois ouvi esta. Ainda não era nascida.
Eu até comprei alguns álbuns dele na adolescência, muito bons por sinal, mas não havia dinheiro para tudo, nem internet, nem pirate bay,
contudo ouvia sempre uma vozinha:
Tens de ir mais para trás Rosa, mais para trás.

Tem tudo. É perfeita.

Resultado, quando me esqueço de quem sou, para onde vou e todas essas tretas metafísicas,
basta-me ouvir aquela música e tudo torna a fazer algum sentido.


 
 

Ekki Múkk




De manhã, primeiro ouvi esta.

28 de maio de 2012

Day of the Wacko (Dzien Swira)




Provavelmente o melhor filme que vi este ano, ou quiçá da década.
Triste, inteligente, poético, imaginativo, muito real e carradas de humor .


P.S. O personagem, Adam Miauczynski, é muito mal-criado, mas não faz cócó nos passeios.

24 de maio de 2012

Jenny


Here you are again
Another stupid party again
A celebration for nothing

Your eyes are following
The kings and the queens of the zoo
Immune in their black clothing
They let the world down





12 de maio de 2012

Feelings


Gosto de tudo.
Menos de nabos.




11 de maio de 2012

Blackbird



Já tinha lido a notícia na internet que ele tinha morrido, depois, no carro ouvi uma entrevista que tinha dado há algum tempo na Radar, no "Fala com ela". Um sujeito acessível, com sentido de humor, que achava o disco dos Beatles fenomenal, senão me escapa a expressão.
De qualquer forma, o que realmente me deixou a pensar, foi a velha história de deixar para amanhã. Claro que já tinha ouvido falar dele, apesar de inicialmente, pensasse que fosse um fulano estrangeiro, graças ao peculiar nome, de sua graça, aos poucos fui-me apercebendo que era português, e, muito bom, por sinal. Ouvi alguns excertos, mas sempre adiei, um dia desses oiço um álbum completo, com calma, para apreciar bem, ele assim o merece, recomendaram-me, dizia a mim própria.
Prioridades, e fui adiando.
Também não tenho vida para ouvir música o dia todo, aliás, hoje em dia não tenho muito tempo para ouvir música, penso que se reflecte. Em mim.
Adiei, adiei e hoje ele morreu, morte estúpida e prematura, como é premissa dos grandes.
Eu sem nunca o ter ouvido, ouvir com letra grande, demoradamente. Gulosamente.

Ele escolheu" Blackbird" dos Beatles, no "Fala com ela".


Bernardo Sassetti




8 de maio de 2012

Wash





Hoje perdi alguma coisa.

3 de maio de 2012

Putos a Roubar Maçãs


Adeus Amesterdão, adeus Holanda.

25 de abril de 2012

Carta de Álvaro Cunhal a Abel Salazar



Caro Dr.Abel Salazar:

Venho de ver a sua exposição. De início, choca a distância entre dois temas: a mulher ociosa e a mulher que trabalha. Custa a compreender como uma mesma sensibilidade pôde sentir a beleza serena e cuidada da mulher que vive para si para os seus vestidos, o seu “ménage”, o seu aspecto e a beleza do vigor e do esforço da mulher que luta pela vida e pelo pão, e que, por tal, se verga sob insuportáveis fardos.
Esse contraste tenho-o como a maior lição talvez dada involuntariamente a tirar da exposição dos seus trabalhos.
Mas se da parte do artista não houvesse apenas vibração ante o "espectáculo" do trabalho; se houvesse também uma compreensão do que remediavelmente doloroso tem esse trabalho; então haveria que exigir mais.
Mais que os bustos ajoujados pelo esforço. Mais que as mãos crispadas pelo desespero. Mais que as feições sombrias e trágicas. Mais que os braços enrodilhados sobre o tronco, a exprimirem retraimento forçado de aspirações. Mais que os passos cansados. Haveria que exigir do artista uma compreensão paralela da beleza serena das elegantes burguesas, do que essa beleza deve a esses outros corpos deformados, do que essa serenidade deve a essas outras almas inquietas e angustiadas. Das “burguesinhas” haveria que traduzir o egoísmo, a vaidade, o vazio de sentimentos e -acima de tudo o seu desprendimento e desinteresse por aqueles a cujo esforço devem tudo com que se adornam e pintam, tudo o que comem e bebem. E haveria ainda que ridicularizar. Não quero dizer que se deformasse a realidade. O que é lamentável não é o facto de o artista não traduzir assim o mundo. Porque se assim o não vê, assim o não deve traduzir (exige-o a sinceridade, a base de toda arte séria). O que é lamentável é o facto de o artista assim o não ver, assim o não sentir. Porque, caro doutor, são dois mundos sim, mas que se interpenetram e explicam mutuamente.
Por isso, tenho como parte de mais interesse na exposição a série de quadros de mulheres no trabalho. Ao contrário do que sucede com muitos pintores "modernos" não há um embelezamento artificial da mulher trabalhadora. Ela nas feições contraídas, e nas atitudes desalentadas ou desesperadas, e na tragédia dos olhos que procuram resistir à sombra e à sonolência da fadiga, se adivinha o descontentamento e a vontade de libertação - mal definidos ainda, talvez excessivamente instintivos, num passo para o levantamento e para revolta.
A mulher trabalhadora aparece mergulhada nas trevas poirentas das oficinas, onde raras manchas de luz lembram que no nosso país o sol brilha. Ou então, os seus pés descalços e inchados chapinham dolorosamente na lama. As roupas são ásperas, sujas, suadas e bafientas. As cabeças abaixam-se sob o peso do fardo. Porém não é o desalento que as atira irresistivelmente para baixo. As cabeças não pendem. Vergam sim mas retesadas e enérgicas; suportando, mas reagindo. Essa sua série de trabalhos marca uma posição nova na nossa pintura moderna. Constitui uma primeira interpretação vigorosa, realista e revolucionária do mundo do trabalho.
Sem dúvida, eu não tenho a pretensão de dizer-lhe coisas novas, nem de lhe dar conselhos. Mas, vendo a sua exposição, senti-me no dever de encorajar o artista, de o incitar a ir mais longe, mesmo que a coragem lhe não falte e seja já seu propósito assente ir ainda mais longe. Mas ir mais longe com determinada direcção. E, na demarcação dessa direcção, vejo com desgosto muitos jovens progressistas deixarem agradar-se mais pelas "notas de Paris", que pelas múltiplas «mulheres no trabalho».

Álvaro Cunhal

Mais: Gostaria de ter um quadro seu, mas não posso comprar. Isto, de certa forma, é uma afirmação brusca e inesperada. Mas também é franca e sincera.




22 de abril de 2012

Turiya And Ramakrishna


O Silêncio
Quando a ternura
parece já do seu ofício fatigada,
e o sono, a mais incerta barca,
inda demora,

quando azuis irrompem
os teus olhos
e procuram
nos meus navegação segura,

é que eu te falo das palavras
desamparadas e desertas,

pelo silêncio fascinadas


Eugénio de Andrade



7 de abril de 2012

Nothing Personal

video



A young travelling woman and a older educated, solitary man close a deal: food in exchange of work. But there is one condition: no personal contact, no questions. Who will be the first one to break the deal?

Turn Me On



Serotonin or 5-hydroxytryptamine (5-HT) is a monoamine neurotransmitter. Biochemically derived from tryptophan, serotonin is primarily found in the gastrointestinal (GI) tract, platelets, and in the central nervous system (CNS) of animals including humans. It is popularly thought to be a contributor to feelings of well-being and happiness.





24 de março de 2012

Meltdown



Jeffrey Wigand: I told the truth.

22 de março de 2012

Les Etoiles





Les étoiles les étoiles
Si seulement je savais
Dites moi étoile de qui obtenez-vous la lumière





20 de março de 2012

off the record - Klaus Kinski Interview






O rosto caucasiano mais bonito.
Ou a repórter loura burra com o curso de comunicação social na privada.

Activar legendas, clicando no "CC"

15 de março de 2012

No Room For Doubt


O amor
é o amor
O amor é o amor -e depois?!
Vamos ficar os dois
a imaginar,a imaginar?...

O meu peito contra o teu peito,
cortando o mar,cortando o ar.
Num leito
há todo o espaço para amar!

Na nossa carne estamos
sem destino,sem medo,sem pudor,
e trocamos -somos um? somos dois?-
espírito e calor!

O amor é o amor -e depois?!


in:Abandono Vigiado(1960)



7 de março de 2012

My Bag


 


 
É Pop, é inteligente, é cocaína, dizem.

 

off the record - Terra




Terra, afinal há esperança.


26 de fevereiro de 2012

Pink Moon





Frozen




Comutador

Ergo-me de ti no zimbório
de folhas na penedia do castelo medieval
de limos na umidade da praia
de cristais entre os rochedos do Cabo Horn

Caminho de gelo na floresta
de sôfrego na vastidão do deserto
de louco na brancura do hospício

Eu abismo, eu cratera
inclinei-me e vi um espetáculo caprichoso: uma unha branca
uma unha branca a viver assim despreocupada

OGIVA-BORBOLETA
Arco-de-Cor caldo muito triste
Casulo de quem ninguém falou
Teia-de-Aranha exposta à loucura e ao tempo
Andorinha-Azul de chapéu mole e baratas na cama
VENTOINHA.


António Maria Lisboa




Ceremony [Live at Birmingham University]




As luzes, as mesas, as armas antigas, os jardins debruçados
nas violas paradas. Não sei o que há
tão veloz e tão firme
na base de um homem. Às vezes vejo
que é uma invencível doçura, um espanto
colorido em redor de uma casa, uma raiva
generosa nas mãos iluminadas.
Mas no fundo, no fundo,
é a boca desmanchada que sangra devagar.
Ignoro quem dorme, é um ofício novo e louco,
uma tarefa perene do coração
sobre quanto se ignora. Minha boca ressoa.
Os próprios meses ressoam com espelhos ardentes,
como telhados, cúpulas, livros,
como objectos ardentes.

Herberto Helder



18 de fevereiro de 2012

off the record - George Carlin


video

Houve 2 ou 3 americanos inteligentes, este foi um deles.




9 de fevereiro de 2012

I Think Twice



 
Não sei de que albúm foi retirada esta música.
Enerva-me.




4 de fevereiro de 2012

Little Lion Man


Viver sempre também cansa!

O sol é sempre o mesmo e o céu azul
ora é azul, nitidamente azul,
ora é cinza, negro, quase verde...
Mas nunca tem a cor inesperada.

José Gomes Ferreira


21 de janeiro de 2012

The Pirate Bay (The Revolution Will Not Be Televised)

That pipe of trash that someone smoked
INTERNETS, 18th of January 2012.
PRESS RELEASE, FOR IMMEDIATE RELEASE.

Over a century ago Thomas Edison got the patent for a device which would "do for the eye what the phonograph does for
the ear". He called it the Kinetoscope. He was not only amongst the first to record video, he was also the first person
to own the copyright to a motion picture.

Because of Edisons patents for the motion pictures it was close to financially impossible to create motion pictures
in the North american east coast. The movie studios therefor relocated to California, and founded what we today call
Hollywood. The reason was mostly because there was no patent.
There was also no copyright to speak of, so the studios could copy old stories and make movies out of them - like
Fantasia, one of Disneys biggest hits ever.

So, the whole basis of this industry, that today is screaming about losing control over immaterial rights, is that they
circumvented immaterial rights. They copied (or put in their terminology: "stole") other peoples creative works,
without paying for it. They did it in order to make a huge profit. Today, they're all successful and most of the
studios are on the Fortune 500 list of the richest companies in the world. Congratulations - it's all based on being
able to re-use other peoples creative works. And today they hold the rights to what other people create.
If you want to get something released, you have to abide to their rules. The ones they created after circumventing
other peoples rules.

The reason they are always complainting about "pirates" today is simple. We've done what they did. We circumvented the
rules they created and created our own. We crushed their monopoly by giving people something more efficient. We allow
people to have direct communication between eachother, circumventing the profitable middle man, that in some cases take
over 107% of the profits (yes, you pay to work for them).
It's all based on the fact that we're competition.
We've proven that their existance in their current form is no longer needed. We're just better than they are.


And the funny part is that our rules are very similar to the founding ideas of the USA. We fight for freedom of speech.
We see all people as equal. We believe that the public, not the elite, should rule the nation. We believe that laws
should be created to serve the public, not the rich corporations.

The Pirate Bay is truly an international community. The team is spread all over the globe - but we've stayed out of the
USA. We have Swedish roots and a swedish friend said this:
The word SOPA means "trash" in Swedish. The word PIPA means "a pipe" in Swedish. This is of course not a coincidence.
They want to make the internet inte a one way pipe, with them at the top, shoving trash through the pipe down to the
rest of us obedient consumers.
The public opinion on this matter is clear. Ask anyone on the street and you'll learn that noone wants to be fed with
trash. Why the US government want the american people to be fed with trash is beyond our imagination but we hope that
you will stop them, before we all drown.

SOPA can't do anything to stop TPB. Worst case we'll change top level domain from our current .org to one of the
hundreds of other names that we already also use. In countries where TPB is blocked, China and Saudi Arabia springs to
mind, they block hundreds of our domain names. And did it work? Not really.
To fix the "problem of piracy" one should go to the source of the problem. The entertainment industry say they're
creating "culture" but what they really do is stuff like selling overpriced plushy dolls and making 11 year old girls
become anorexic. Either from working in the factories that creates the dolls for basically no salary or by watching
movies and tv shows that make them think that they're fat.

In the great Sid Meiers computer game Civilization you can build Wonders of the world. One of the most powerful ones
is Hollywood. With that you control all culture and media in the world. Rupert Murdoch was happy with MySpace and had
no problems with their own piracy until it failed. Now he's complainting that Google is the biggest source of piracy
in the world - because he's jealous. He wants to retain his mind control over people and clearly you'd get a more
honest view of things on Wikipedia and Google than on Fox News.

Some facts (years, dates) are probably wrong in this press release. The reason is that we can't access this information
when Wikipedia is blacked out. Because of pressure from our failing competitors. We're sorry for that.

THE PIRATE BAY, (K)2012



 















18 de janeiro de 2012

Modern Guilt




Entre muitas ocupações
muito urgentes
esqueci-me
de que também há que
morrer

frívolo
abandonei esta obrigação
ou ocupei-me dela
superficialmente

a partir de amanhã
tudo mudará

começarei a morrer com esmero
de maneira sensata com optimismo
sem perda de tempo

Tadeusz Rózewicz



15 de janeiro de 2012

Psycho Killer




Psycho killer, qu'est-ce que c'est
Fa Fa Fa Fa Fa Fa Fa Fa Fa Far Better
Run Run Run Run Run Run away
Psycho killer, qu'est-ce que c'est
Fa Fa Fa Fa Fa Fa Fa Fa Fa Far Better
Run Run Run Run Run Run away



9 de janeiro de 2012

Monkey Gone To Heaven




the creature in the sky
got sucked in ahole
now there's a hole in the sky
and the ground's not cold
and if the ground's not cold
everything is gonna burn
we'll all take turns
i'll get mine, too
this monkey's gone to haven

rock me joe!

if man is 5
then the devil is 6
then god is 7
this monkey's gone to heaven



1 de janeiro de 2012

Avó



Avó, sabes, quando estavas em África a cuidar dos teus outros netos e da tua outra filha, era à tua irmã que chamava avó? Não era de propósito, mas escapava-me sempre. Quando me pedia para ir buscar os tomates para a salada, - Sim avó. Ou quando lhe perguntava se o esquentador estava ligado para tomar banho. Tentava sempre corrigir, Tia, mas os seus olhos brilhavam, os olhos da tua irmã que nunca teve filhos. Eram olhos pequenos e muito vivos.
Avó, às vezes a tua irmã irritava-me, a sua mão tremia e não conseguia fazer as tarefas diárias, corriqueiras, irritava-me porque eu era muito jovem, não compreendia a vida. Para todos os que são jovens, as fraquezas são inadmissíveis. Para o fim, já não lhe reconhecia os olhos e desviava o olhar. Olhos pequenos, perdidos.
Avó, tenho saudades das tuas mãos. São tão bonitas, dizia-te eu repetidamente, são tão velhas e com manchas, respondias.
Os dedos finos, as unhas perfeitas, sobre teu colo, tão lindas as tuas mãos.
Avó, tu não tremias a mão, mas não estavas. Chamava avó à tua irmã.

As tuas mãos, avó.